Pular para o conteúdo principal

Os Laços Eternos

Este maravilhoso livro, psicografado pela escritora Zibia Gaspareto, ditado pelo espírito Lucius, narra a história de uma criança chamada Nina, que tinha doze anos, e morrera de tuberculose. Já no plano espiritual começou a sentir muita falta da família que lhe era muito carinhosa e estimada, relutava para aceitar o fato do seu desencarne.

Para auxiliá-la, os amigos espirituais - que sempre a acompanharam e protegeram - obtiveram autorização dos seus superiores, para levá-la em uma viagem astral, através do tempo e do espaço, retroagindo até uma de suas vidas passadas. Na sua primeira incursão, viu-se em uma sala toda adornada, com lindas tapeçarias, lindos móveis todos pintados à ouro, reconheceu-se em uma bela senhora de cabelos longos e cacheados, olhos negros e pele alva, com seus quinze anos de idade aproximadamente, chamava-se Geneviève e seria apresentada à corte nas próximas semanas, o que lhe era motivo de ansiedade e apreensão, já que dali por diante, estaria pronta para ser cortejada pelos mais belos nobres daqueles condados. Não tardou para ser cortejada e aceitar, com o consentimento dos pais, dar-se a mão em noivado e posterior casamento com um cavaleiro francês de nome Gerard. Casaram-se em cerimônia real, eram felizes, tiveram seu primeiro filho. Um episódio muito triste perpetrou a vida da moça, a tentativa do assassinato de sua mãe, condessa, por uma misteriosa mulher que fugira em uma carruagem não identificada.



Pressionando uma das empregadas da casa, descobriu que o motivo da tentativa outro não fora, senão a vingança de uma baronesa enciumada que descobrira o caso de amantes que a mãe de Geneviève mantinha com um barão, por sua vez marido da quase assassina. O nome da mulher do barão era Livia, e a condessa, recuperando-se do seu ferimento, fez com que seu marido providenciasse para que a outra fosse presa em uma cela de onde jamais pudesse escapar, em uma prisão perpétua. As forças do mal se intrometem definitivamente na vida daquela família. Com várias armadilhas, colocaram a vida do marido de Geniève, Gerard, no caminha do destino da mãe dela, sendo que os dois se apaixonaram. O barão pai de Geneviève descobre o sórdido enlace proibido dos amantes e prepara uma cildade. Gerar cai noa ardil preparado pela barão e perde sua vida, sendo assassinado friamente. O infeliz desperta, não como Gerard mas sim como Gustavo, lembrando-se mais da penúltima encarnação do que da última.

Já Nina, viu passar pela tela do passado, todas as situações que por falta de iluminação cometera, tramando a morte de Livia a quem atribuía a morte de seu marido, devido as pistas plantadas pelo barão, seu pai, que queria se vingar do genro e de Livia de uma só vez, mas com a morte de Livia, o marido dela supôs que a assassina fosse a condessa e também tramou a sua morte. Geneviève, por sua vez, criou seus três filhos e no meio desse tempo apaixonou-se novamente e com seu novo consorte teve mais uma filha, que era a reencarnação de Livia, filha que lhe deu muito desgosto, fê-la sofrer muito e mesmo assim ela nunca deixou-a sem amor, por um instante qualquer.

O amor une, o ódio também, ligações de ódio, são passageiras, as do amor, eternas, a vida usa a reencarnação, aproxima as pessoas, abre-nos a compreensão para outras parcelas da verdade, desenvolve nossos sentimentos, ilumina nossa inteligência, facilita-nos a conquista da paz, as almas amadurecem, conseguem perceber que existe só amor, força motriz da vida fluindo no Todo, em laços indestrutíveis, pela eternidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia do Curinga, Jostein Gaarder

Ao terminar o livro, um pensamento rápido: queria ter entrado no mundo do Hans-Thomas. Ter saído de Hisoy, na Noruega, num Fiat vermelho com o pai dele à procura de alguma coisa, algum ‘sentido' para a vida. Afinal, a vida não é isso? Parece que estamos sempre em busca de algum significado para tudo. Eles foram procurar alguém especial - a mãe de Hans-Thomas - e nessa aventura descobriam dezenas de histórias e exploraram as mais intensas divagações sobre o mundo e a filosofia.

No meio dessa tal viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem do menino numa autêntica iniciação à busca do conhecimento.

Como ele acha esse livro? Estavam abastecendo em um posto de gasolina quando um anão se aproxima de Hans-Thomas e entrega uma lupa para ele e diz: você precisará desta lupa. Guarde-a.

Mais tarde, em Dorf, Hans entra numa padaria e descobre um livrinho minúscul…

Mal Secreto, de Zuenir Ventura

O livro Inveja: Mal Secreto, de Zuenir Ventura, já começa com uma advertência: o que se vê a seguir é uma tentativa de escrever sobre a inveja, e não diretamente acerca da inveja. E é exatamente o que percebemos ao longo das 264 páginas do livro. O autor nos suga numa incrível história de medo, prazer e apuração jornalística. Logo no primeiro capítulo nos é apresentado Kátia, a filha ilegítima de uma mãe de santo no Rio de Janeiro. É partir dela que Zuenir Ventura desfiará uma teia de acontecimentos que nos levará uma reflexão sobre este mal secreto: a inveja.

O autor nos conta como surgiu a conversa sobre inveja pela primeira vez: foi numa viagem que fez a Angra dos Reis com sua esposa e mais duas mulheres. Ventura diz que não se lembra exatamente como o tema “inveja” apareceu na viagem, mas lembra de Dorrit, uma das viajantes, falando que o tema a fascinava pois se tratava de um assunto insidioso, inconfessável e inesgotável. A conversa dos dois foi se estendendo até a cidade de Líd…

Quero Minha Mãe

'Quero Minha Mãe', de Adélia Prado, é uma narrativa “despedaçada”, como aqueles cadernos que usamos para escrever alguns pensamentos e guardamos na gaveta. Depois de dias, a gente se lembra dele, escreve mais alguma coisa e guarda novamente no mesmo lugar. Foi isto que percebi ao ler a obra.

Na primeira folha, somos impactados: Olímpia é diagnosticada com câncer e discorre sobre isto em pensamentos soltos. A cada página é como se fôssemos levados pelo inconsciente — que na verdade está bem consciente — da autora. Cada página, um rabisco. Na época de lançamento, Adélia estava prestes a completar 70 anos. Uma vida inteira de experiências posta em poucas folhas de papel.

A grande referência da autora durante a narrativa é, obviamente, a sua mãe. Num trecho, ela diz: “Estou me lembrando da minha mãe, morreu num mês de setembro, a três meses da minha formatura no ginásio, cercada de travesseiros, os lábios muito roxos, puxando o ar, minhas tias, meu pai, meus irmãos em volta”.

A h…