Pular para o conteúdo principal

O Dia do Curinga, Jostein Gaarder



Ao terminar o livro, um pensamento rápido: queria ter entrado no mundo do Hans-Thomas. Ter saído de Hisoy, na Noruega, num Fiat vermelho com o pai dele à procura de alguma coisa, algum ‘sentido' para a vida. Afinal, a vida não é isso? Parece que estamos sempre em busca de algum significado para tudo. Eles foram procurar alguém especial - a mãe de Hans-Thomas - e nessa aventura descobriam dezenas de histórias e exploraram as mais intensas divagações sobre o mundo e a filosofia.

No meio dessa tal viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem do menino numa autêntica iniciação à busca do conhecimento.

Como ele acha esse livro? Estavam abastecendo em um posto de gasolina quando um anão se aproxima de Hans-Thomas e entrega uma lupa para ele e diz: você precisará desta lupa. Guarde-a.

Mais tarde, em Dorf, Hans entra numa padaria e descobre um livrinho minúsculo que um certo padeiro entregou a ele. Dentro desse livrinho, uma história reveladora e fantástica, na qual o próprio Hans e o pai poderão se encontrar e se descobrir.

A minha empolgação com esse livro parece a de um adolescente que acha qualquer leitura filosófica algo fantástico. Calma -- eu acho filosofia fantástico sim, mas se não houver uma história entrelaçando os fatos, um leitor comum pode não se acostumar e abandonar a leitura. No meio dos meus 33 anos, as histórias do Jostein Gaarder ainda mexem comigo e me fazem pensar sobre mil coisas do Universo. A começar por Através do Espelho, que li há alguns anos e até hoje me emociono ao lembrar da história de Cecilia Skotbu. Essa lembrança de uma leitura que marcou é o legado que um livro deixa na gente.

Lendo novamente algumas passagens, percebo que O Dia do Curinga pode sim ser um pouco previsível. Confesso que fiquei ansioso pelo final, querendo saber de fato onde os dois aventureiros iam parar. Chegarão à Grécia? Encontrarão a mãe de Hans-Thomas? Ela voltará com eles? Quase como aqueles seriados ou aquelas novelas que queremos logo saber o que vai acontecer e assistimos com muita atenção para não perder nenhum detalhe.

Selecionei algumas passagens:

E se o mundo é um número de mágica, então deve existir um mágico. Espero que um dia eu consiga desvendar esse truque. Mas não é fácil desvendar um truque de mágica, se o mágico que o realiza nem sequer se mostra no palco. (P. 192)

O fato de nós nos aferrarmos com tanta voracidade ao 'sobrenatural' pode ser explicado por um tipo raro de cegueira, que não nos permite enxergar o maior dos mistérios: o fato de que existe um mundo. Muitos se interessam mais por marcianos e discos voadores do que por todo o enigma da criação que desenrola bem debaixo dos nossos narizes. (P. 143)

Acho que o universo é fruto de uma vontade. Um dia você verá que por trás de todas essas miríades de estrelas e galáxias, oculta-se uma intenção. (p. 144)

- O tempo não passa, Hans-Thomas. E não é um relógio. Nós passamos e não são os nossos relógios que fazem tique taque. O tempo vai devorando tudo através da história, silenciosa e inexoravelmente, como o sol se levanta no Leste e se põe no Oeste. Ele destrói civilizações, corrói antigos monumentos e engole gerações atrás de gerações. Por isso que falamos dos "dentes da engrenagem do tempo: o tempo mastiga, mastiga... e somos nós que estamos no meio de seus dentes. (P. 267)

Sobre o autor 

Jostein Gaarder é um escritor norueguês e autor de vários romances, contos e livros infantis. Ele escreve, no geral, a partir da perspectiva das crianças, explorando seu senso de admiração sobre o mundo. Ele freqüentemente usa metaficção em suas obras, escrevendo histórias dentro de histórias.

Seu trabalho mais conhecido é o livro O Mundo de Sofia. Foi traduzido em cinquenta e três idiomas. Há mais de trinta milhões de exemplares impressos, com três milhões de cópias vendidas apenas na Alemanha, por exemplo.

Em 1997, ele estabeleceu o Prêmio Sophie junto com sua esposa Siri Dannevig. É um prêmio internacional de meio ambiente e desenvolvimento concedido anualmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mal Secreto, de Zuenir Ventura

O livro Inveja: Mal Secreto, de Zuenir Ventura, já começa com uma advertência: o que se vê a seguir é uma tentativa de escrever sobre a inveja, e não diretamente acerca da inveja. E é exatamente o que percebemos ao longo das 264 páginas do livro. O autor nos suga numa incrível história de medo, prazer e apuração jornalística. Logo no primeiro capítulo nos é apresentado Kátia, a filha ilegítima de uma mãe de santo no Rio de Janeiro. É partir dela que Zuenir Ventura desfiará uma teia de acontecimentos que nos levará uma reflexão sobre este mal secreto: a inveja.

O autor nos conta como surgiu a conversa sobre inveja pela primeira vez: foi numa viagem que fez a Angra dos Reis com sua esposa e mais duas mulheres. Ventura diz que não se lembra exatamente como o tema “inveja” apareceu na viagem, mas lembra de Dorrit, uma das viajantes, falando que o tema a fascinava pois se tratava de um assunto insidioso, inconfessável e inesgotável. A conversa dos dois foi se estendendo até a cidade de Líd…

A Boa Filha, de Karin Slaughter - O primeiro Kit da TAG Inéditos

Quando a TAG Experiências Literárias foi lançada, fiquei naquela dúvida se realmente valeria a pena. Fiquei desconfiado pela ideia de receber livros "surpresas" em casa, mesmo se viessem com algum mimo e outros objetos para justificar o valor pago mensalmente. Fiquei 'namorando' a vontade de assinar por bastante tempo, até que fiquei sabendo de uma reformulação da proposta. Hoje, a TAG se compõe de Tag Curadoria e TAG Inéditos. Foi este último que me chamou a atenção.

A TAG Curadoria continua com a premissa inicial: edições de luxo com mimos, cujas histórias são indicadas por grandes nomes da literatura. Ok. Já a TAG Inéditosme ganhou pela proposta de enviar aos assinantes obras de fato inéditas no país, inclusive traduzidas especialmente para os leitores do clube. Fiquei interessado quase instantaneamente. Quais livros eu leria que ainda não foram lançados no Brasil e que seriam tão cativantes assim? Não resisti ao impulso: peguei o cartão de crédito (já tomado por…