Pular para o conteúdo principal

O mistério da Estrela Nua

A sensação de reler um livro e descobrir coisas novas é interessante. Você se questiona: como não ‘entendi’ isso antes? Que frase linda! Etc.

Carlos Eduardo — ou Cadu — é um jovem de 18 anos totalmente perdido na vida. Muito embora seja filho de pais ricos, ele escolheu seguir o seu próprio caminho. Mora miseravelmente sozinho, faz parte de uma banda de rock de fundo de quintal cujos membros são seus amigos e sua namorada, a Julia. Todo mês é um sufoco para pagar o aluguel e sempre pensa em desistir de tudo e ir voltar a morar com os pais.

No livro, ele conversa com a gente. É como se você estivesse sentado numa mesa de bar e ele estivesse ao seu lado contando a história dele para você. Meio doido isso, mas é esta a impressão que se tem logo nas primeiras páginas. Ou então, como se ele estivesse escrevendo num diário e, no próprio texto, ele conversasse consigo mesmo. Interagisse consigo.



Ele nos conta a história de como Hilde entrou na vida dele. Recebia bananas da mãe do Rubinho. Estas eram sempre enroladas em papel de jornal. Um anúncio “precisa-se de pianista para acompanha estrela de bel canto” chamou a atenção dele e quando a situação financeira apertou, pegou o papel e decidiu ligar. Foi aí que conheceu a estrondosa, elegante e absurdamente enigmática Hilde. A leitura flui de um jeito que não se quer mais parar. Descobre-se que Hilde tem um poder de envolvimento fora do comum. Algo que tira Carlos Eduardo do sério. Muito embora tente se esquivar, aos poucos aquela senhora idosa vai mudando e descontruindo o mundo do jovem. Medos, sonhos, carapuças, sensação de viver plenamente. Tudo isto vai aflorando e abrindo o desejo de desbravamento de Cadu.

A sensação que fica é que parece que Hilde precisava aparecer na vida dele. Ela precisava chacoalhar aquele menino, tirá-lo da terrível zona de conforto que nos detém e nos suga para o marasmo, o não-viver, a completa perda de desejo. Algumas passagens você tem raiva de Hilde. Em outras, você quer deixar o livro de lado e bater palmas. “Como pode?”, a gente se pergunta.

Separei uma passagem:

A estrela era assim. Eu nunca sabia o que esperar. Num momento me servia vinho e brindava o meu talento. Noutro, insinuava que eu era burro e me mandava para casa.

Falando em talento: minha composição não impressionou o vocalista, nem ele achou que fosse o caso de escrever uma letra.

- Será que é tão ruim? O que é vocês acham? — perguntei ao pessoal, inclusive a Julia, que era a empresária da banda, e portanto parte interessada.

- Sei lá, é meio antiga…

- A velha achou do caralho.

- Foi o que eu disse: é antigona.

O Rubinho e o Cachorrão olhavam um para o outro e não disseram uma palavra em minha defesa.

A estrela tinha razão: a cegueira pode ser provocada por várias coisas. No caso deles, pela ignorância. No meu caso, pelo medo, que naquela noite se misturava perigosamente com a arrogância: a estrela havia praticamente me convencido de que eu era um gênio. Agora o pessoal me achava um merda. (pág. 30)

Carlos Eduardo no exato momento em que percebe que a banda não estava tão aí pra ele. Enquanto Hilde havia mostrado o verdadeiro gênio musical que ele era, a turma que ele vivia estava cega.

Poderia escrever bastante sobre Estrela Nua, pois há muitos detalhes legais que mereciam, talvez, uma atenção mais especial. Mas deixo aqui a curiosidade. Comprei no Estante Virtual, pois o livro encontra-se esgotado nas livrarias. Talvez por falta de reimpressão. Maria Adelaide Amaral nos presenteia com uma história simples, mas verdadeiramente complexa em significados. A gente termina pensando: será que já passou alguma Hilde na minha vida? Será que fui Carlos Eduardo alguma vez? E se acontecer, será que estarei aberto a estas experiências como o jovem esteve? Imaginar tais situações é o combustível para ler e imaginar cada vez mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia do Curinga, Jostein Gaarder

Ao terminar o livro, um pensamento rápido: queria ter entrado no mundo do Hans-Thomas. Ter saído de Hisoy, na Noruega, num Fiat vermelho com o pai dele à procura de alguma coisa, algum ‘sentido' para a vida. Afinal, a vida não é isso? Parece que estamos sempre em busca de algum significado para tudo. Eles foram procurar alguém especial - a mãe de Hans-Thomas - e nessa aventura descobriam dezenas de histórias e exploraram as mais intensas divagações sobre o mundo e a filosofia.

No meio dessa tal viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem do menino numa autêntica iniciação à busca do conhecimento.

Como ele acha esse livro? Estavam abastecendo em um posto de gasolina quando um anão se aproxima de Hans-Thomas e entrega uma lupa para ele e diz: você precisará desta lupa. Guarde-a.

Mais tarde, em Dorf, Hans entra numa padaria e descobre um livrinho minúscul…

Mal Secreto, de Zuenir Ventura

O livro Inveja: Mal Secreto, de Zuenir Ventura, já começa com uma advertência: o que se vê a seguir é uma tentativa de escrever sobre a inveja, e não diretamente acerca da inveja. E é exatamente o que percebemos ao longo das 264 páginas do livro. O autor nos suga numa incrível história de medo, prazer e apuração jornalística. Logo no primeiro capítulo nos é apresentado Kátia, a filha ilegítima de uma mãe de santo no Rio de Janeiro. É partir dela que Zuenir Ventura desfiará uma teia de acontecimentos que nos levará uma reflexão sobre este mal secreto: a inveja.

O autor nos conta como surgiu a conversa sobre inveja pela primeira vez: foi numa viagem que fez a Angra dos Reis com sua esposa e mais duas mulheres. Ventura diz que não se lembra exatamente como o tema “inveja” apareceu na viagem, mas lembra de Dorrit, uma das viajantes, falando que o tema a fascinava pois se tratava de um assunto insidioso, inconfessável e inesgotável. A conversa dos dois foi se estendendo até a cidade de Líd…

A Boa Filha, de Karin Slaughter - O primeiro Kit da TAG Inéditos

Quando a TAG Experiências Literárias foi lançada, fiquei naquela dúvida se realmente valeria a pena. Fiquei desconfiado pela ideia de receber livros "surpresas" em casa, mesmo se viessem com algum mimo e outros objetos para justificar o valor pago mensalmente. Fiquei 'namorando' a vontade de assinar por bastante tempo, até que fiquei sabendo de uma reformulação da proposta. Hoje, a TAG se compõe de Tag Curadoria e TAG Inéditos. Foi este último que me chamou a atenção.

A TAG Curadoria continua com a premissa inicial: edições de luxo com mimos, cujas histórias são indicadas por grandes nomes da literatura. Ok. Já a TAG Inéditosme ganhou pela proposta de enviar aos assinantes obras de fato inéditas no país, inclusive traduzidas especialmente para os leitores do clube. Fiquei interessado quase instantaneamente. Quais livros eu leria que ainda não foram lançados no Brasil e que seriam tão cativantes assim? Não resisti ao impulso: peguei o cartão de crédito (já tomado por…