Pular para o conteúdo principal

Caminhos Cruzados

Em época de carnaval, até quem não tem o costume de viajar ou cair na folia, acaba aceitando convites de amigos e familiares para aproveitar os 5 dias de folga. Os destinos são os mais variados possíveis: praias, serras, eventos culturais pela cidade, saidinhas de leve (cinemas, boates). Mas, no meu caso, o carnaval inteiro foi dentro de casa. Seja por falta convites ou quando bate aquela bad. Não saí nem para saber o que estava acontecendo na rua. Às vezes bate aquela vontade de hibernar.

Então, sendo assim, mesmo estando em casa, ou eu fazia alguma coisa para ‘passar o tempo’ ou ia acabar e enlouquecendo. A estante do meu quarto é cheia de livros, dos mais variados temas e assuntos. Livros que vou comprando ao longo do ano e que acabo lendo alguns capítulos e depois deixo de lado. Amo comprar livros e mais ainda ler. É bom demais a sensação de terminar um livro e pensar sobre ele — perceber que aquele texto ou história mudou alguma coisa em você. Pois bem: vendo a minha estante cheia de livros que nunca li, resolvi me ‘aventurar’ em ler alguns. O máximo que puder nestes 5 dias de folga.

Eis o saldo do carnaval:

· Caminhos Cruzados, Erico Verissimo;

· O Mito de Sísifo, Albert Camus;

· A Metamorfose, Franz Kafka;

· O Lobo da Estepe, Herman Hesse.

No calor do momento, peguei o primeiro que vi: Caminhos Cruzados, do Erico Verissimo. Comprei esse livro em 2006, há mais de dez anos! E nunca havia lido… muito embora o meu amor pelos textos dele. Uma grande colcha de retalhos de histórias diversas, mas que — de fato — se cruzam no meio do caminho. Homens e mulheres em várias nuances e vários ângulos sociais. A história mostra uma Porto Alegre da década de 1930 cheia de modernização, de miséria, luxo e também desencantamento. Pesquisando mais sobre o livro, vi que o estilo narrativo foi muito influenciado pelos livros de Aldous Huxley pois há uma real ausência de personagem principal. São histórias entrelaçadas que constroem uma sociedade, como um tecido feito de diferentes tipos de panos.



É interessante notar que, à medida que se lê sobre os personagens, é natural fazermos algumas associações com a vida real. Certamente você vai se deparar com a pergunta: “eu conheço uma pessoa igualzinha a esse personagem aqui!”. Como não achar várias donas Eudóxias por aí? No livro ela é mãe de Fernanda. Esta é namorada do ingênuo Noel. Dona Eudóxia é extremamente pessimista e sempre acredita que as coisas vão dar errado.

E João Benévolo? Coitado. Um pobre sonhador desempregado, que adora ler e simplesmente viaja nas histórias que absorve nos livros. Em algumas passagens é até perigoso você viajar também, pois Erico desenvolve uma narrativa muito envolvente. Ele não tem o que comer em casa. Sua esposa e seu filho estão com fome. Sai de casa, vagueia pelas ruas, sonha alto, imagina estar num mundo paralelo para não sofrer tanto.

Temos também o professor Clarimundo. Solteiro, 48 anos, professor. Metódico e ansioso, é escravo do relógio. Sonha em escrever um livro sobre fantasia e descobertas científicas. Todos os dias, pela manhã, precisa tirar os seus 40 minutos de leitura.

No prefácio que o próprio Erico escreveu em 64, o autor o considerou Caminhos Cruzados “um livro de protesto que marca a inconformidade do romancista ante as desigualdades, injustiças e absurdos da sociedade burguesa”, numa época em os militares voltariam ao poder. Ler este livro é identificar-se com os personagens, com a história, com o modo de viver deles. É como ver um pouco do seu reflexo num grande espelho literário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Dia do Curinga, Jostein Gaarder

Ao terminar o livro, um pensamento rápido: queria ter entrado no mundo do Hans-Thomas. Ter saído de Hisoy, na Noruega, num Fiat vermelho com o pai dele à procura de alguma coisa, algum ‘sentido' para a vida. Afinal, a vida não é isso? Parece que estamos sempre em busca de algum significado para tudo. Eles foram procurar alguém especial - a mãe de Hans-Thomas - e nessa aventura descobriam dezenas de histórias e exploraram as mais intensas divagações sobre o mundo e a filosofia.

No meio dessa tal viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem do menino numa autêntica iniciação à busca do conhecimento.

Como ele acha esse livro? Estavam abastecendo em um posto de gasolina quando um anão se aproxima de Hans-Thomas e entrega uma lupa para ele e diz: você precisará desta lupa. Guarde-a.

Mais tarde, em Dorf, Hans entra numa padaria e descobre um livrinho minúscul…

Mal Secreto, de Zuenir Ventura

O livro Inveja: Mal Secreto, de Zuenir Ventura, já começa com uma advertência: o que se vê a seguir é uma tentativa de escrever sobre a inveja, e não diretamente acerca da inveja. E é exatamente o que percebemos ao longo das 264 páginas do livro. O autor nos suga numa incrível história de medo, prazer e apuração jornalística. Logo no primeiro capítulo nos é apresentado Kátia, a filha ilegítima de uma mãe de santo no Rio de Janeiro. É partir dela que Zuenir Ventura desfiará uma teia de acontecimentos que nos levará uma reflexão sobre este mal secreto: a inveja.

O autor nos conta como surgiu a conversa sobre inveja pela primeira vez: foi numa viagem que fez a Angra dos Reis com sua esposa e mais duas mulheres. Ventura diz que não se lembra exatamente como o tema “inveja” apareceu na viagem, mas lembra de Dorrit, uma das viajantes, falando que o tema a fascinava pois se tratava de um assunto insidioso, inconfessável e inesgotável. A conversa dos dois foi se estendendo até a cidade de Líd…

A Boa Filha, de Karin Slaughter - O primeiro Kit da TAG Inéditos

Quando a TAG Experiências Literárias foi lançada, fiquei naquela dúvida se realmente valeria a pena. Fiquei desconfiado pela ideia de receber livros "surpresas" em casa, mesmo se viessem com algum mimo e outros objetos para justificar o valor pago mensalmente. Fiquei 'namorando' a vontade de assinar por bastante tempo, até que fiquei sabendo de uma reformulação da proposta. Hoje, a TAG se compõe de Tag Curadoria e TAG Inéditos. Foi este último que me chamou a atenção.

A TAG Curadoria continua com a premissa inicial: edições de luxo com mimos, cujas histórias são indicadas por grandes nomes da literatura. Ok. Já a TAG Inéditosme ganhou pela proposta de enviar aos assinantes obras de fato inéditas no país, inclusive traduzidas especialmente para os leitores do clube. Fiquei interessado quase instantaneamente. Quais livros eu leria que ainda não foram lançados no Brasil e que seriam tão cativantes assim? Não resisti ao impulso: peguei o cartão de crédito (já tomado por…